Imagem capa - Companhia de Santos Reis de Vila Formosa por Grupo Imagem
Eventos

Companhia de Santos Reis de Vila Formosa



Veja as fotos: https://www.grupoimagem.org.br/portfolio/eventos/577986-folia-de-reis-2019


Grupo Imagem participou da Festa da Cia de Santos Reis de Sorocaba


Quando: 04 de janeiro de 2020

Horário: a partir das 16h
Onde: Rua Nelson Herdy Barbosa, 200 - Vila Formosa - Sorocaba - SP

COMPANHIA DE SANTOS REIS DE SOROCABA

A Folia de Reis é mais uma das tradições populares brasileiras que necessita de estímulo para sobreviver. Em Sorocaba, a Companhia de Santos Reis de Vila Formosa - a único de que se tem notícia na cidade - mais do que sobreviver, vem trilhando um caminho de crescimento e destaque. Apresentam-se, com roupa azul, fitas e outros detalhes que mostram o espírito religioso do trabalho que realizam. Um dos destaques da Companhia é a bandeira sobre a qual vão se acumulando papéis com pedidos e gratidão pelo alcance de graças.

Uma história comovente

O nascimento da Companhia de Santos Reis de Vila Formosa é uma história cheia de emoção e afetividade. O festeiro José Coppi tinha se mudado da cidade de Cascavel, no Paraná, para Sorocaba, onde trabalhava como pedreiro.

Na cidade grande, a maior saudade da vida no interior do Paraná era dos amigos da Folia de Reis. Até que recebeu uma carta de outros migrantes - Tarcisio e Dito - interessados em formar uma Companhia em Sorocaba. O grupo passou a se encontrar na Vila Formosa - a Companhia foi se fortalecendo cada vez mais. "Alguns companheiros já faleceram, outros foram se chegando.

Ao lado da esposa, Eva Borges de Andrade - que participa de Folia de Reis desde muito jovem, com o pai - Zé Coppi comenta que "para mim é assim como uma religião, tem hora que me emociono muito. Esforço-me muito pra manter esse grupo em pé, forte. É uma tradição muito linda que vem vindo há tempos, de Portugal, de geração em geração. Vamos fazer sempre muita força dessa tradição nossa não se acabar". Dona Eva é a "bandeireira" do grupo. Há também as funções de festeiro, embaixador (José Coppi), contra-mestre (Carmelino de Oliveira e João Batista de Souza), os bastiões (Anderson Francisco, Isaltino Alves Moreira e Wellington Aparecido dos Santos), e foliões (Antonio Alvino da Silva, Ercilio Nazário, Hélio Donato da Cruz, José Jair, José Pedro da Fonseca, José Joaquim Soares, Juarez Ribeiro Dutra, Luzia de Matos dos Santos, Maria Cândida da Fonseca, Valdemar Ribeiro e Vicente Maximiano). Para todos, o sentimento que os une é uma grande amizade. "Como se a gente fosse uma família só", dizem. Nas visitas que fazem, cantam abençoando a casa visitada, a família e depois pedindo oferta, cantam agradecendo e ainda despedindo da família que os acolheu. A tradição era que a Companhia de Reis tivesse doze pessoas – o número dos apóstolos de Jesus - mas hoje, para preservar a tradição, "quanto mais gente melhor". Muitas pessoas fazem pedidos aos três reis magos - Gaspar, Melchior e Baltazar - que visitaram Jesus na manjedoura. Os pedidos costumam ser pregados na bandeira da Companhia e todos os anos dona Eva os leva ou envia para Aparecida do Norte, o maior santuário brasileiro.  "Tenho visto muita gente alcançar graças assim", conta dona Eva.
A Companhia de Reis, tradicionalmente, fazia visitas de 24 de dezembro até dia 6 de janeiro - Dia de Reis. Porém, com as "dificuldades da vida moderna" achou-se por bem que as visitas fossem feitas somente nos finais de semana.

Assim, a Companhia de Reis de Vila Formosa começa a visitar famílias em outubro e segue até Dia de Reis, quando realiza uma festa e uma missa em vila Formosa zona norte de Sorocaba.


Dia de Reis

O Dia de Reis é comemorado no dia 6 de janeiro — data em que, conforme a fé cristã-católica, os três Reis Magos (Gaspar, Melchior — ou Belchior — e Baltazar) chegaram à manjedoura de Jesus após terem sido guiados pela Estrela de Belém. Conforme a Bíblia Sagrada, na noite de 24 de dezembro, eles teriam sido avisados em sonho do nascimento do Messias, iniciando suas jornadas. Ao chegarem, ofereceram ao menino, como presente, ouro, incenso e mirra, que simbolizavam a realeza, a divindade e a imortalidade.



Clique aqui e Veja as fotos